Formação › 08/06/2017

São Francisco Xavier

Hoje, a Igreja pode olhar para o passado e encontrar nele grandes fontes de inspiração para a mística da ação missionária, sendo estas, a memória dos santos e santas que, das mais diversas formas, tornaram-se missionários e missionárias, oferecendo-se inteiramente à messe do Senhor.

O Papa Pio XI, durante o seu pontificado, proclamou, dentre os santos já canonizados nesta época, dois padroeiros universais das missões: Santa Teresinha do Menino Jesus e São Francisco Xavier. Embora estes dois santos tivessem, entre si, características diferentes, como o tempo em que viveram, a idade que alcançaram a maturidade da fé, o carisma e o estilo de vida, ambos tiveram algo em comum: o transmitir Deus com o testemunho de vida.

Trataremos aqui, mais especificamente do segundo padroeiro da missão: São Francisco Xavier. Religioso jesuíta, teve uma vida ativa no campo de missão da Igreja, e, além disso, uma mística relação com Deus, primeiramente através da oração, sua fonte primeira de inspiração e seu alimento espiritual que o fortalecia para dar sequência ao seu trabalho, o qual, por sinal, parecia incansável.

O seu testemunho de vida, fruto daquilo que rezava e pregava, atraía muitos seguidores, os quais ele mesmo se encarregava de encaminhar a Cristo e, consequentemente, à Igreja, constituindo assim diversas comunidades e proporcionando a conversão a muitos pagãos. Segue, enfim, a pregação, que era complemento direto da virtude já testemunhada.

O ardente desejo de levar a Palavra de Deus aos povos do Oriente, que, de fato, tornou-se concreto, desenha a grande paixão de Francisco Xavier pelo anúncio querigmático e pela evangelização fundamental.

As viagens que realizara nos países asiáticos como Índia, China, Japão, revela a sua disposição voluntária para este serviço. E, além de tudo isso, ainda é significativa a sua exigência em buscar atingir o máximo das populações que recebiam a sua passagem, a fim de que ninguém ficasse sem receber o anúncio da Boa Nova.Diante da sua virtuosidade e das suas grandes obras missionárias é que lhe é atribuído títulos como “O Gigante do Oriente” e “O São Paulo do Oriente”, além do dado oficialmente pelo Papa Pio XI: Padroeiro das Missões.

Para toda a Igreja, o exemplo de Francisco Xavier é referência de verdadeiro missionário, que permitiu que toda a sua vida se consumisse pelo anúncio do Amor de Deus, manifestadono Filho, sob a força do Espírito Santo e vivido pela Igreja discípula-missionária do Salvador.Que seu exemplo de vida e missão possa perpassar as entranhas da atual Igreja e que a sua intercessão alcance para ela um novo ardor missionário.

Uanderson Rocha Brito
Morro do Chapéu

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.